NOTÍCIAS

ACECA


Bancada do Refis vai defender novo acordo

ÚLTIMAS

NOTÍCIAS

Parlamentares defensores de programas de parcelamento de débitos tributários, conhecidos genericamente como Refis, vão começar a se mobilizar neste mês para a reabertura de negociações com a Receita Federal.

Uma das ideias é emplacar novo programa para socorrer grandes empresas com dívidas acima de R$ 15 milhões que ficaram de fora do programa editado em 2017, o Programa Especial de Regularização Tributária (Pert). O novo Congresso tende a abraçar as causas da bancada do Refis. Segundo dados da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), novos deputados e senadores que tomam posse no dia 1º de fevereiro devem, juntos, R$ 660,8 milhões à União.

Pelo menos 96 dos 513 deputados que farão parte da próxima legislatura devem juntos R$ 158,4 milhões em dívida ativa. Entre eles, parlamentares do PSL, legenda do presidente Jair Bolsonaro. A missão em defesa de um novo Refis deverá ficar contar o com apoio do relator do Pert, deputado federal reeleito Newton Cardoso Júnior (MDB-MG), que foi considerado coordenador da bancada do Refis, grupo que reunia parlamentares com ligados a empresas endividadas.

Um dos expoentes da bancada, o deputado federal não reeleito Alfredo Kaefer (PSL-PR), pretende agendar uma audiência com o novo secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, para apresentar as justificativas a favor dos programas de parcelamentos de débitos fiscais

A iniciativa do parlamentar foi motivada pelo fato de o secretário ter feito declarações, em entrevista, de que o Refis vai acabar no governo Bolsonaro. “Não me fale em Refis. Sou contra. Vou facilitar e simplificar, mas não vou perdoar”, destacou Cintra.

Dívida triplicada 

Kaefer afirmou que o novo secretário deverá mudar de ideia depois de conhecer os mecanismos pelos quais as dívidas com a Receita Federal se tornam impagáveis em virtude de elevados custos com multas, juros e encargos. “A dívida chega a ser triplicada e se torna impagável”, afirmou Kaefer. “O secretário está equivocado. Mas na hora que adentrar um pouco nos meandros da Receita vai mudar de posição”.

O parlamentar admitiu, porém, que, se realmente o governo estiver disposto a acabar com o Refis, deve fazer um derradeiro e definitivo para impedir que milhares de empresas fechem as portas. “O Refis permitiu que a Receita Federal pudesse recuperar arrecadação que estava em situação , apontou Kaefer”.

No caso das empresas com dívidas acima de R$ 15 milhões, a maioria não aderiu, segundo o deputado, porque as condições não foram as mesmas oferecidas para empresas com dívidas abaixo desse patamar.

“Era impraticável pagar 20% do valor da dívida antes dos descontos”, acrescentou, citando que ele próprio desistiu de aderir ao Refis como empresário de empreendimentos com dívidas acima desse valor.

Durante a entrevista, Marcos Cintra afirmou que irá combater os devedores contumazes. “A maioria dos devedores não são contumazes, corriqueiros e caloteiros. Não pagam seus débitos em atraso porque os reajustes os tornam impagáveis”, rebateu Kaefer.

Ao secretário da Receita Federal, Kaefer vai defender também a aprovação de duas propostas em tramitação no Congresso. Uma que permite a negociação de débitos diretamente com fisco. E outra que autoriza uso de ativos, a exemplo de imóveis, para o pagamento de dívidas tributárias.

Perdão rural

Por mais que o tema seja indigesto para o novo secretário da Receita Federal, caberá a ele avaliar também as pressões da bancada ruralista a favor da reabertura do prazo de adesão ao Refis Rural. É que ficou para o governo de Jair Bolsonaro a decisão sobre uma eventual eliminação do passivo do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural), estimado em cerca de R$ 17 bilhões.

A administração Michel Temer, em seus últimos dias, decidiu não prorrogar o prazo de adesão ao programa de parcelamento do tributo e a votação de projeto que extingue a dívida ficou para 2019. A tomar essa decisão, Temer rejeitou pedido da futura ministra da Agricultura, Teresa Cristina, com apoio da bancada ruralista. A prorrogação daria mais tempo não apenas para a obtenção dos benefícios do Refis, mas também para discutir a anistia dessa dívida. Tramita na Câmara um projeto (PL 9252/2017) do deputado Jerônimo Goergen (Progressistas-RS) que, na prática, elimina o passivo do Funrural, livrando o setor da dívida bilionária. Eles esperam que Bolsonaro resolva situação.

Fonte: DCI
Últimas Noticias
Governo cria regras para a venda de alimentos artesanais no país

O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta quinta-feira (18), durante ato em comemoração aos 200 dias de governo, regras para a venda de alimentos artesanais, como queijos, mel e embutidos no Brasil.

A lei que trata do assunto foi san...

Bancos terão que criar mecanismos para reduzir fraude de boletos

Os bancos terão que criar mecanismos para que os consumidores confirmem se os boletos que receberam para pagamento são autênticos. Essa foi a decisão da 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do ...

Entidades reagem a fim de adesão a conselho de classe

Associações de classe, como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), prometem barrar no Congresso a proposta de emenda à Constituição (PEC) que coloca os conselhos profissionais como entidades da iniciativa privada, sem nenh...