NOTÍCIAS

ACECA


Pequenos negócios estão otimistas com o futuro da economia

ÚLTIMAS

NOTÍCIAS

A perspectiva de mudança na condução política e econômica do país encheu os empresários de micro e pequenas de confiança. Realizada desde junho de 2017, a Sondagem Conjuntural dos Pequenos Negócios apontou recorde de otimismo entre os empreendedores para o próximo ano. Mais de 95% deles acredita que o Brasil vai voltar a crescer mais com a entrada do novo governo, enquanto que 66% avaliam que a economia do país já vem dando sinais de recuperação. O estudo mostra ainda que mais de 77% acreditam que o faturamento de suas empresas vai melhorar e só 3,3% estão pessimistas quanto a isso.

“O dono de pequeno negócio é um otimista por natureza. Diante de um ambiente tão hostil às empresas, se não apostar em melhoria, se não continuar empregando, ele fecha as portas. Mas este recorde é justificado pela crise que o país enfrentou nos últimos anos, com fechamento de vagas e redução do PIB. E a mudança no governo, que já sinaliza medidas que poderão alavancar a economia, gera essa aposta no crescimento”, analisa o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos.

O estudo teve como objetivo conhecer as expectativas dos donos de pequenos negócios em relação à economia brasileira e ao seu próprio empreendimento. Foram ouvidos entre os dias 26 de novembro e 4 de dezembro, 2.992 Microempreendedores Individuais (MEI), empresários Micro e Pequenas Empresas (ME) e de Empresas de Pequeno Porte (EPP). A Sondagem Conjuntural é realizada trimestralmente desde junho de 2017.

Os índices de otimismo quanto à economia no próximo ano apresentaram um crescimento expressivo desde setembro, quando foi realizada a última análise. Há três meses, 37,4% dos empresários acreditavam que haveria um crescimento, enquanto que na pesquisa atual 79,5% acreditam na melhora da economia. Os que avaliam que a situação permanecerá como está são 12,9%, enquanto 4,9% dizem acreditar em uma piora (o índice representa uma queda de mais de 17 pontos percentuais em relação ao mês de setembro).

A Sondagem Conjuntural mostrou que um dos principais motivos do otimismo em relação à economia é o novo governo, segundo avaliaram 95,8% dos empresários entrevistados. Outros 66,2% acham que já há sinais de uma recuperação no cenário e 47,8% já constataram que houve aumento em suas vendas, enquanto 44,4% avaliam que o emprego está aumentando. Dos poucos que estão pessimistas, 89,7% ainda acham que o desemprego está alto, 78,7% não acreditam no governo eleito e 78,3% temem greves de trabalhadores.

Faturamento e contratação

Os pequenos empreendedores também estão otimistas quanto ao faturamento do próprio negócio em 2019. Conforme o estudo, 77,1% apostam em melhora, enquanto 16,8% acham que o faturamento vai permanecer como está. O índice de otimismo cresceu mais de 32 pontos percentuais em relação à ultima sondagem feita em setembro, enquanto que os pessimistas, que eram 14,8% há três meses, passaram para 3,3% na pesquisa atual.

A Sondagem Conjuntural mostrou que 37,7% dos donos de pequenos negócios não pretendem contratar nem demitir em 2019, mas 32,4% afirmam que vão abrir vagas de empregos, um índice 12 pontos percentuais maior que em setembro. Quanto a possíveis demissões, apenas 2,8% pensam em dispensar funcionários, um terço do índice identificado há três meses. Os empreendedores do Centro-Oeste e Norte do país e principalmente do setor da indústria, são os que estão com melhor perspectiva de admitir novos empregados.

Além do otimismo em relação à economia do país, 78,5% dos micro e pequenos empresários também acreditam que as perspectivas gerais para a empresa irão melhorar no próximo ano. O índice teve um salto considerável de 29 pontos percentuais em relação a setembro, enquanto que aqueles que avaliam que a situação vai continuar estável caiu de 37,1%, há três meses, para 17,3% na sondagem atual. O mesmo comportamento de queda foi identificado entre os empresários mais pessimistas, onde o índice caiu de 9,5% para 2,5% entre as duas sondagens.

Para resolver o problema da mão-de-obra, 84,1% estão contratando pessoas inexperientes e capacitando-as no dia-a-dia das empresas. Outros 58,5% deles também dão novas atribuições para alguns funcionários (aumentando seus salários), como uma alternativa à contratação de novos empregados e 45% ainda pagam horas extras para os trabalhadores, enquanto 28,5% procuram outra solução ou recorrem a uma agência de emprego.

Fonte: Agência Sebrae
Últimas Noticias
Governo cria regras para a venda de alimentos artesanais no país

O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta quinta-feira (18), durante ato em comemoração aos 200 dias de governo, regras para a venda de alimentos artesanais, como queijos, mel e embutidos no Brasil.

A lei que trata do assunto foi san...

Bancos terão que criar mecanismos para reduzir fraude de boletos

Os bancos terão que criar mecanismos para que os consumidores confirmem se os boletos que receberam para pagamento são autênticos. Essa foi a decisão da 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do ...

Entidades reagem a fim de adesão a conselho de classe

Associações de classe, como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), prometem barrar no Congresso a proposta de emenda à Constituição (PEC) que coloca os conselhos profissionais como entidades da iniciativa privada, sem nenh...